Publicações> Artigos > A Comercialização do Tomate em Portugal Voltar Imprimir
 

 

 
A Comercialização do Tomate em Portugal

O tomate é o fruto da planta Lycopersicon Lycopersicum, membro da família Solanacea, típica dos climas temperados.

Cerca de metade da produção mundial de tomate (fresco e para a indústria) é produzida no Continente Asiático, sendo a China, com um peso de 25%, o maior produtor do mundo. O Continente Americano é responsável por 20% da produção mundial, destacando-se os Estados Unidos da América, com 10%. A Europa produziu em 2008, cerca de 16% da produção de tomate, destacando-se a Itália, com um peso de 5% na produção mundial.

As Áreas de Mercado mais representativas em Portugal são o Oeste, o Algarve e o Grande Porto, produzindo-se vários tipos de tomate como Alongado, Cacho, Cereja, Redondo e Sulcado.

Embora os tomates sejam frutos no sentido botânico do termo, não têm a mesma doçura das outras frutas. Ao invés, esta doçura é substituída no tomate por um ligeiro sabor amargo e ácido. Os tomates são preparados e cozinhados como outros legumes, e é por isso que são categorizados dessa forma.

O tomate possui riquíssimas propriedades culinárias e nutricionais.  Ao seu baixo valor calórico associam-se valores baixos de gordura, de proteínas, e de hidratos de carbono. Como em qualquer vegetal, o colesterol está ausente. A sua cor vermelha característica deve-se à presença de licopeno, um pigmento que abunda no tomate maduro e funciona como antioxidante, protegendo o organismo contra a acção dos radicais livres.

Devido ao seu conteúdo em água e potássio, trata-se também de um excelente hidratante, alimento próprio para Verões intensos e praticantes de desporto.

O cultivo de tomate em estufa predomina largamente sobre o cultivo de ar livre. Na região Norte, cerca de 92% da área é de estufa, tendo a grande maioria das estufas, estrutura metálica, mas sem sistema de climatização. No Algarve, cerca de 53% da área de tomate fresco é produzido em estufa. Este regime de produção contribuiu com mais de 70% da produção de tomate regional. A produção por hectare chega a atingir as 80 toneladas.

Para o tomate produzido em regime de ar livre, a campanha de produção-comercialização decorre de meados de Junho a Setembro no Oeste e a Outubro no Algarve, enquanto que a campanha do tomate de estufa efectua-se durante todo o ano.

O maior volume de transacções ocorre nos meses de Verão, dado o elevado consumo deste produto hortícola em saladas. 80% do tomate é comercializado através das Organizações de Produtores, apresentando alguma importância os Mercados Abastecedores e as grandes superfícies no escoamento deste legume.

O saldo da balança comercial tem vindo a aumentar nos últimos anos, subiu de -16,4 para 2,6 milhões de euros, respectivamente em 2005 e 2009. O tomate é, a seguir à batata, o produto hortícola mais adquirido ao exterior e representa 10% do valor total da entrada de hortícolas. A Espanha é o principal fornecedor, com um peso superior a 90% do valor, seguindo-lhe a França, com 6%. Em relação às vendas de produto ao exterior, o tomate foi, no ano de 2009, o principal produto vendido ao exterior. Nos últimos três anos, têm-se verificado um aumento no valor das vendas. Espanha e o Reino Unido são os principais compradores de tomate português.

Em Portugal, nos últimos vinte anos, o consumo de tomate fresco aumentou, tendo atingido nos últimos anos um volume médio de 108 mil toneladas.

O aumento da importância desta cultura na região de Entre Douro e Minho, tendo em vista quer a boa aceitação do produto pelos consumidores regionais, quer pela saída de importantes quantidades de tomate para outros países da União Europeia.

 
 
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares