Notícias > Milho e sorgo: UE estabelece medidas de emergência contra Spodoptera frugiperda
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Milho e sorgo: UE estabelece medidas de emergência contra Spodoptera frugiperda


A Comissão Europeia acaba de estabelecer medidas de emergência para evitar a introdução e a propagação na União do organismo prejudicial Spodoptera frugiperda.

Segundo a Decisão de execução (UE) 2018/638 da Comissão, aquela praga constituí uma ameaça a várias culturas em particular para o milho e sorgo. Face à crescente ameaça da possibilidade de entrada no território da União Europeia foi aprovada a decisão agora publicada que visa essencialmente a implementação, por todos os Estados-membros, de medidas excecionais de controlo à importação com entrada em aplicação em Junho do corrente ano.

A decisão deve ser temporária e aplicada até 31 de Maio de 2020, a fim de permitir a sua revisão antes dessa data.


Lagarta militar

A Spodoptera frugiperda, também conhecida por lagarta militar, ou lagarta-do-cartucho, é um inseto cujos ovos possuem coloração verde-clara tornando-se alaranjados. As larvas inicialmente são claras, passando para pardo escuro a esverdeadas até quase pretas, possuem três pares de pernas no tórax e cinco pares de falsas pernas no abdome, podendo atingir 50 mm de comprimento.

Os insetos adultos medem cerca de 35 mm de envergadura, com a coloração das asas anteriores pardo-escuras e as posteriores branco-acinzentadas.

O inseto tem hábito noturno, coloca cerca de 100 ovos na parte superior da folha das plantas.


Sintomas

O ataque do inseto deixa as folhas raspadas e perfuradas, cartucho destruído e espigas danificadas. Observam-se excreções das lagartas nas plantas, reduzindo a área foliar das plantas. Favorece o ataque de agentes patogénicos.

As lagartas perfuram a base da planta, causando o sintoma de “coração morto”. A lagarta ataca preferencialmente o cartucho, destruindo-o, principalmente na fase próxima do florescimento.


Em África e Américas

Tendo em conta a recente introdução e propagação do organismo especificado em África, explica a Decisão da Comissão, a sua distribuição nas Américas e os dados relativos a interceções transmitidos pelos Estados-membros, certos outros vegetais hospedeiros do organismo especificado e originários de África ou das Américas devem ser objeto de medidas específicas quando introduzidos na União.

Essas medidas específicas devem prever a deteção atempada do organismo especificado no território da União, os requisitos para a introdução na União dos vegetais especificados, incluindo um certificado fitossanitário, bem como os controlos oficiais quando da introdução desses vegetais na União.

Estados-membros ativos

Os Estados-Membros devem realizar prospeções anuais para detetar a presença do organismo especificado nos respetivos territórios e devem assegurar que os operadores profissionais são informados sobre a sua presença potencial e as medidas a tomar.

Essas medidas são necessárias para assegurar uma melhor proteção do território da União contra a entrada, o estabelecimento e a propagação do organismo especificado.

Para que as entidades oficiais responsáveis e os operadores profissionais possam adaptar-se a esses requisitos, a presente decisão deve ser aplicável a partir de 1 de Junho de 2018.

Pode ler a Decisão completa aqui.







Fonte: Agricultura e Mar Actual

 
 
08-05-2018
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares