Notícias > Só um inseto pode salvar a produção de castanhas
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Só um inseto pode salvar a produção de castanhas


A vespa da galha está praticamente em todo o país e constitui uma séria ameaça à sustentabilidade dos soutos. Para combater a praga vão ser feitas 700 largadas de parasitas em 90 concelhos.


O pequeno inseto Torymus Sinensis é a esperança de produtores, autarcas e técnicos para combater a praga da vespa da galha do castanheiro, ou seja o inseto 'Dryocosmus kuriphilus'.

A vespa que veio do Oriente já está em praticamente todo o país e é a maior dor de cabeça dos produtores de castanha, porque destrói a floração das galhas e invalida qualquer possibilidade de haver fruto.

No concelho de Valpaços, no distrito de Vila Real, onde a castanha é mesmo considerada o “ouro da montanha”, porque gera um volume de negócios de mais de 60 milhões de euros, “o pequeno inseto que põe os ovos nos gomos dos ramos e que leva à deformação dos novos rebentos”, começou por atingir as novas plantações, mas já se encontra em castanheiros adultos.

A luta biológica tem sido o método que se tem revelado eficaz no combate a esta praga e foi também o método adotado em Itália e em Espanha. Consiste na largada dos parasitoides `Torymus sinensis`, insetos que se alimentam das larvas que estão nas árvores e são capazes de exterminar a vespa.


Na freguesia de Friões, produtores, associações do setor, autarquia e o presidente da Associação Nacional da Castanha procederam à larga de parasitoides num souto de castanheiros adultos infetados.

José Gomes Laranjo, presidente da RefCast e investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), tira de uma mochila os parasitas importados de Itália, acondicionados em pequenos tubos e envolvidos em gelo, retira a tampa e espera que os insetos vão saindo para as folhas do castanheiro infestado.

As largadas do Torymus sinensis são compostas por cerca de 120 fêmeas e 10 machos. Quando saem dos tubinhos, as fêmeas já vão fecundadas, pois estiveram juntas com os machos. Uma largada significa que todos os parasitoides são lançados no mesmo souto.

“Ao ser largado o parasita, a mosquinha, a galha continua fechada, porque não há vespa para sair, o parasita fica aqui dentro. No próximo inverno nós vamos ter estas galhas secas, sem furos, e é aqui dentro que está o parasita que na primavera seguinte vai abandonar as galhas secas e vai visitar as novas galhas verdes”, explica José Gomes Laranjo, presidente da Associação Nacional da Castanha (RefCast).

E é assim que o processo se faz. “Ano após ano, se processa o ciclo: o parasita, das galhas secas para as galhas verdes; a praga das galhas verdes para os gomos verdes”, realça o investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

As largadas de parasitoides obedecem a regras. Segundo José Gomes Laranjo, é preciso “esperar por um nível de infestação bastante acentuado, isto é, não basta que apareça a primeira galha e está decidido, vamos fazer largada”.

“Se vamos largar um inseto que ele próprio só vive parasitando praga, se ele não tem praga, não parasita, morre. Temos que esperar por graus de infestação nas árvores da ordem dos 60 a 70%. Só assim é que estamos em condições de fazer largadas”, enfatiza o investigador. Depois, é fundamental ter a “máxima segurança sobre aquilo que estamos a largar”.

“E temos que ter a máxima garantia do sítio onde vamos buscá-los, porque, em lugar de vir o parasita, se houver má fé, pode vir qualquer outra coisa e, então, estamos a introduzir um outro inseto que pode atacar outros insetos que estão aqui e que podem, por sua vez, provocar desequilíbrios nesses insetos e, a partir dai, cria-se uma nova praga”, alerta.

Apesar de haver muitos soutos infetados, o investigador José Laranjo assegura que “a vespa não está fora do controle, o que acontece é não podemos andar à frente dela”.

Após a implementação destas medidas, das largadas de parasitoides, serão necessários três a quatro anos para que seja atingido um novo equilíbrio entre praga e parasita. “À medida que o parasita vai crescendo, a praga vai diminuindo o seu nível de ataque”, salienta José Gomes Laranjo.

A vespa dos galhos do castanheiro é um problema sério “pode envolver reduções de produção numa situação de controle na ordem dos 10 a 15% de redução de produção. Mas, se nada for feito, envolve reduções de produção em mais de 90%, como haverá algumas situações pontuais no país, onde isso irá acontecer”, alerta.

Em todo o país estão previstas 700 largadas, vão contemplar 90 concelhos, e vão custar cerca de 700 mil euros. Depois há que esperar que a pequena mosca faça um trabalho rápido e consiga contornar a praga que chegou a Portugal em 2014, vinda do Oriente.






Fonte: Renascença

 
 
17-05-2018
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares